top of page

A Importância de uma Consciência Tática na Formação dos Atletas


É importante transmitir o conhecimento do jogo da base. Já no início do processo de treinamento de um atleta, devemos garantir que ele entenda os princípios gerais a serem desenvolvidos da maneira mais eficaz possível para resolver as diferentes situações que possam surgir durante o jogo.


Começando com a definição de esporte. Considera-se desporto toda a atividade que, em geral, está associada a uma competição regida por regras pré-estabelecidas universalmente aceites, para além de ser institucionalizada, quer seja em associações ou federações.


O futebol é uma atividade esportiva de um time ou grupo de grande participação (equipes compostas por 11 jogadores), de cooperação-oposição que interage em um campo de jogo comum (ajudando colegas de equipe na construção do jogo associado a terminar em o objetivo oposto e neutralize as intenções do rival, opondo sua progressão no campo de jogo e defesa de seu próprio objetivo), abertas ou acíclicas (ações que não respondem a um padrão de movimento repetitivo, mas são compostas por vários gestos Acelerações, saltos, picos, desacelerações, curvas, quedas, entre outros), de grande incerteza (sucessão de situações aleatórias dependendo de vários fatores: adversários, companheiros de equipe, bola, clima, arremesso, etc.), com preponderância tática (é Percepção correta e tomada de decisão são essenciais. Mas isso não significa que o aspecto condicional e o aspecto técnico não sejam importantes) e, do ponto de vista fisiológico, aeróbico-anaeróbico alternativo (ou seja, que exista intervenção dos três sistemas de energia. Deve-se mencionar que o sistema ATP-CP é decisivo para a definição de situações, como chutes a gol, sprints, saltos e lutas para obter a bola, mas deve ser apoiado por um desenvolvimento ideal da glicólise anaeróbica, para repetir ações de alta intensidade sem perder a eficácia e um alto funcionamento da bola, sistema oxidativo para resistir à fadiga durante os noventa minutos ou a duração do jogo que varia de acordo com a categoria ou a idade dos participantes).


O futebol, como outros esportes de situação, contém fases diferentes, mas que são indivisíveis. As fases ofensiva e defensiva, juntamente com suas respectivas transições (de ataque para defesa e defesa para ataque) se sucedem. Quando uma equipe tem posse da bola, ela está na fase ofensiva; quando a perde, vai para a transição de ataque-defesa para passar para a fase defensiva e, quando a recupera, faz a transição de defesa-ataque. Se uma das duas equipes estiver em uma fase, a outra estará na fase oposta. Portanto, quando um time está na fase ofensiva, seu rival está na fase defensiva, e a transição defesa-ataque de um corresponde à transição ataque defesa do outro.


Tendo mencionado as características do futebol, passarei a aspectos mais relacionados à prática. Com as crianças, estamos inclinados a desenvolver, em princípio, os gestos que implicam o domínio do elemento, portanto os necessários para realizar a fase ofensiva (dirigir, atirar, passar, receber, gambeta). Isso se deve à necessidade de priorizar o gosto pelo jogo, respondendo às características psicológicas e também físicas da criança.


No caso de crianças em idade pré-escolar (4-5 anos), o processo de ensino- aprendizagem deve ser iniciada com o uso da bola. A razão para isso é devido ao egocentrismo que caracteriza essa faixa etária. O passe e a recepção serão trabalhados à medida que a criança melhorar a socialização.

Lembre-se de que, nessas idades, eles frequentam estabelecimentos de ensino onde compartilham atividades com outras pessoas; portanto, em nossas sessões de futebol, também devemos apoiar a tarefa de cooperação e poder compartilhar com outras pessoas.


Quando ocorre a entrada na escola primária (6-7 anos), as crianças já podem compartilhar com outras pessoas sem problemas, então o passe e a recepção se tornam mais importantes.


A capacidade de remover e outras técnicas defensivas começarão a se desenvolver aos 8-9 anos de idade, mas com maior sotaque de 10 a 11 anos e se intensificará de 12 a 13 anos. Essas técnicas requerem características psicológicas e físicas que as crianças menores não têm, como altas doses de agressividade e força física, o que será possível com o aumento dos níveis de testosterona.


 De qualquer forma, não é o objetivo deste artigo aprofundar a organização de tarefas e tipos de atividades a serem realizadas com crianças e jovens.


Aqui, simplesmente, gostaria de definir algumas diretrizes que permitam que a criança gradualmente adquira noções para funcionar da melhor maneira em um jogo, tanto quando ele ou um parceiro está na posse da bola e quando ele deve assumir funções defensivas. Veremos que eles não são exclusivos do futebol, mas também são aplicáveis a outros esportes conjuntos.



Por Lucas Drumond Sinnecker

21 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page