top of page

Como ter uma Boa Comunicação com os Atletas


Vamos levar em consideração, como levamos em consideração para o sistema, modelo e outras tarefas, a equipe e os jogadores que temos. Fatores importantes da equipe, como idade, comprometimento e nível de jogo, são importantes para isso. Da mesma forma, levar em consideração a personalidade de cada um dos jogadores é essencial. (Você não vai corrigir o capitão do time da mesma forma, se ele está com você há 3 anos e não resolve uma ação em um conceito mais que assimilado, aquele jogador que acaba de chegar ao time, e acima de tudo, é tímido e nunca tocou em uma bola na vida). E parece um absurdo básico o que proponho, mas muitas vezes você vê a pressa de querer que o jogador seja o que você quer que ele seja, com um estalar de dedos.


Comunicação e expressão verbal


Enfocando este tipo de comunicação para o futebol como expressão verbal e como uso da linguagem, vamos dividi-los em 4 elementos básicos: Volume, tom, harmonia e silêncio.


O volume da comunicação no futebol de base


O volume pode ser tão alto quanto você achar necessário. Gritar nem sempre é agressivo. Você pode gritar encorajando, pode dar feedback positivo (reforço ou aprovação de uma performance),sempre usando o grito como ativação no contexto de uma partida ou gritar qualquer palavra para um jogador para aumentar sua intensidade no contexto de treinamento. Mesmo parodiando ironicamente o treinador do clube dos anos 80. Gritar pode ser benéfico e saudável para a equipe até certo ponto e adicionar as nuances necessárias.


Brincar com o volume é muito prático para prender a atenção dos jogadores e separar as instruções e mensagens da ativação. Se o seu volume estiver sempre muito alto, não haverá diferença com a ativação e, além disso, você vai explodir nossas mentes. E eu não sei o que fizemos para explodir nossas cabeças, honestamente.


Portanto use um volume médio para as conversas no início do treino e a explicação dos jogos, o que também permite que você use um bom tom e ritmo compreensível e para finalizar, você pode na última frase aumentar o tom para ativar, e finalizar aumentar o volume para realçar os objetivos principais do jogo. Por fim, entendo que o bate-papo pessoal com um jogador, seja qual for o motivo, deve ter um volume baixo, já que um volume alto aqui pode incomodar o jogador e tudo o que podemos fazer da nossa parte para que isso não aconteça, vamos colocá-lo.


O tom da comunicação no futebol de base


Em termos de tom, damos um grande salto ao criticar duramente o partido contrário ao “sargento maluco”. Estou falando sobre aqueles que pensam que os pequenos têm que ser criados em um ambiente doce surreal. Crianças são crianças, não desenhos animados. Tratar com afeto não é tratar uma criança como um idiota. Para começar, a maioria das crianças não quer ser, e usar um tom idiota pode, em certos casos, confundir e gerar desconfiança na criança, e com razão. Se uma criança perceber que você se relaciona com o pai ou com outras pessoas de uma maneira diferente da dela, ela pode se tornar desvalorizada em termos de maturidade e começar a se comportar de maneira estranha para chamar sua atenção e puni-lo. Acho que você tem que ganhar confiança e cumplicidade com uma criança. Exagerando na doçura, parece errado para mim. Trate-me como se eu fosse normal, por favor.


Acho que neste caso é suficiente fazer reinar a simpatia e as boas vibrações acima de tudo, e mostrar o nível de ternura que a equipa em questão tira de dentro de si. Nesse sentido, acho errado colocar um tom mais baixo ou mais alto do que o seu, já que forçar isso vai prejudicar seu caráter e personalidade.


Harmonia na comunicação no futebol de base


A harmonia é um detalhe de comunicação muito importante a ser levado em consideração no contexto do treinamento. Sua maneira de "cantar" tem que estar relacionada à sua energia que você deseja transmitir naquele momento. Temos que combinar os sons para que soem agradáveis ​​ao ouvido. Também é aconselhável ter uma forma característica e envolvente de tonificar. Para que você me entenda, que seja facilmente imitável, reconhecível e identificável. Até o nível de seriedade do que você vai expor a seguir. Deve ser acompanhado por uma expressão corporal de acordo com a musicalidade de nossa fala e sua personalidade. Algo com o qual a equipe possa se relacionar. "Este é o nosso treinador, ainda não sabemos se é um infeliz, mas é especial". Pessoalmente, acho divertido que cada um tenha sua maneira de falar e se expressar.


Dependendo da harmonia da sua fala, os jogadores já reconhecem para onde você está indo. Já reconhecem se é uma tarefa importante e difícil, se é um lembrete ou se é um pequeno discurso para esclarecer alguns aspectos da convivência. Não se trata de fazer uma papelada, mas de dar um pouco de força ao sentimento que se esconde por trás do que se diz. Você também parece mais animado, desapontado e feliz do que realmente está.


O silêncio


Você tem que aceitar o silêncio e saber como dar a ele o seu valor. O silêncio não deve ser visto como ausente. Considero o mínimo que um grupo tem confiança suficiente para se sentir confortável quando o silêncio reina e às vezes é necessário. Certifique-se de que, se o que você vai dizer for menos relevante do que o silêncio, não diga. Assim como a música não seria a mesma sem os silêncios, a fala seria a mesma. Quanto mais peso o que você acabou de dizer, mais silêncio você deve deixar para que a mensagem seja digerida. Durante um exercício também tem que tentar dar as informações certas, porque senão os jogadores vão optar por não dar importância às suas palavras, porque querem treinar, ou vai dificultar muito a sua tomada de decisão e concentração.


O silêncio, como veremos em outros artigos, também é capaz de conectar e beneficiar a equipe em determinadas situações e, o mais importante, faz com que o cérebro reflita e pense com mais clareza. Diga o que você pensa e pense o que é dito.


A comunicação no futebol de base, como o futebol, é muito simples e complexa, pois em cada ação esportiva tantas coisas acontecem ao mesmo tempo, que é muito difícil encaixar uma intervenção perfeita. Mas vamos chegar o mais perto possível. A intuição será um fator chave.



Por Lucas Drumond Sinnecker

11 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page