top of page

Do Treino para o Jogo


Revise antes de treinar o conteúdo da nossa sessão, as atividades que serão desenvolvidas, o material que será necessário, etc... Em primeiro lugar, devemos estar atentos a possíveis ausências inesperadas de jogadores que possam surgir ao longo do dia para adaptá-lo.

(Principalmente nas categorias infantis costuma haver faltas por motivo de doença).


Chegue com bastante antecedência às instalações para a preparação do material da nossa sessão (bolas, cogumelos, cones, postes, escadas, balizas, babadores, entre outros).


Indique as áreas dos exercícios, se necessário, em nosso design de sessão. É aconselhável marcar os espaços com cones ou cogumelos coloridos, pois as crianças tendem a perder-se facilmente no campo durante os exercícios. (Os pequenos se afastam facilmente). Nesse aspecto, os exercícios costumam ser marcados de forma retangular ou em quadrados.


Recepção dos jogadores verificando se alguém está faltando ou não possui o equipamento adequado (Em muitos clubes, todos os jogadores devem ter roupas oficiais de treinamento do clube.) Por exemplo, muitas crianças da primeira categoria tendem a ter o cadarço desabotoado, o que implica que elas tropeçam e caem, lembramos que elas têm que aprender a amarrar os cadarços e que não se acostumam a ser amarradas pelos mais velhos ou não aprenderão até Os 10 a 7 anos já devem saber amarrá-los perfeitamente.


Uma palestra resume para os jogadores como será a sessão quanto menor a categoria e mais curtas as palestras devem ser, crianças pequenas têm períodos de atenção muito curtos. É melhor explicar o primeiro conjunto de exercícios e colocá-los em prática imediatamente. Uma regra que é cumprida é que quanto mais tempo as crianças ficarem em pé, mais indisciplinados e brutais se comportarão. A melhor sessão para essas idades são sessões dinâmicas com muitos movimentos, lúdicas, formativas e também competitivas (adoram competir brincando).


NÃO ENTREGUE ao explicar os exercícios aos jogadores temos que usar uma linguagem clara, se possível adaptada à idade que treinamos, alguns treinadores explicam as tarefas às crianças como se fossem adultos e não percebem que as crianças sempre Eles vão dizer sim a tudo, mesmo que não entendam. Eles fazem isso (todos nós já fizemos) para não fazer os outros pensarem que eles são os tolos que não entenderam a tarefa, temos que nos posicionar em um lugar onde todos os jogadores nos vejam e escutem bem para que não fiquem com o sol no rosto e com tom de voz médio-alto (Depende muito do ruído externo, existe uma regra a esse respeito e é que quanto mais você gritar, menos ouvirão no longo prazo). Se a tarefa o exigir, temos que fazer o exercício nós mesmos como uma demonstração e se necessário várias vezes, podemos também usar um jogador e guiá-lo com a nossa voz para que o resto o veja. Quando temos graves problemas de compreensão de uma tarefa, uma das ferramentas mais eficazes é mostrar os exercícios por meio de um quadro negro, mesmo assim, a tarefa não é compreendida, devemos adaptá-la para uma tarefa mais simples. Uma regra: Se uma tarefa leva mais de 5 minutos para ser explicada e compreendida, é muito complexa para as crianças. Alguns treinadores pensam que estão em uma conferência fazendo eternas explicações de exercícios.


Depois de ver que eles entendem a dinâmica das atividades. Adicione variantes, mudanças, regras, desafios, até que a atividade se desenvolva conforme planejado e projetado. Que nem todo esse script também tente projetar tarefas onde existam diversas soluções e decisões por parte do jogador.


Tente formar grupos de tamanhos diferentes para desenvolver as tarefas que nem tudo é analítico, tente adicionar 1, 2, 3 ou 4 jogadores as tarefas, mas não acrescente muitos mais nas categorias de crianças e eu quase diria nas mais velhas também. (Se menores os grupos terão menos problemas de atenção). Logicamente, depende do exercício em questão.


Não esqueça de dar Feedback os jogadores têm que sentir que participam do trabalho sob o apoio e correção do treinador, o melhor do meu ponto de vista é o a técnica da Identificação do erro-elogio-crítica construtiva-elogio.


Termine a sessão com um desaquecimento com reforços positivos, jogos, lembretes de algo em questão, você pode até perguntar aos jogadores como a tarefa foi desenvolvida, o que eles acharam e até onde poderia ser melhorada. Algumas equipes especialmente de elite aproveitam este intervalo de tempo ou no final da sessão para quantificar a carga da sessão através de uma avaliação subjetiva do esforço de 1 (menos esforço) a 10 (esforço máximo).


Depois de tudo isso, é hora de rever, refletir, quantificar e analisar a mesma sessão pelo coach ou pela equipe técnica para possíveis melhorias ou ideias em futuras intervenções.



Por Lucas Drumond Sinnecker

20 visualizações0 comentário

Comments


Post: Blog2_Post
bottom of page