top of page

Quando é a Hora de Profissionalizar?


Hoje, os atletas iniciam cada vez mais jovens sua profissionalização, e esse número vem aumentando consideravelmente. Por exemplo, há alguns anos a idade mínima com que as crianças começaram a jogar futebol era de 7 a 8 anos, enquanto hoje existem escolas de esportes que permitem a matrícula de crianças a partir dos 4 a 5 anos.


Queremos refletir neste artigo sobre o impacto que as escolas de esportes têm em manter essa ilusão e o interesse em continuar praticando esse esporte desde tão cedo. Queremos também enfatizar a importância que os principais agentes socializadores (pais e treinadores) têm de saber combinar adequadamente essa ilusão e vontade de praticar futebol com as diferentes situações ou experiências que o próprio esporte pode nos proporcionar.


Certamente muitos de vocês se lembrarão da seguinte resposta: "O que os pais de atletas esperam é que isso lhes traga os benefícios esperados da prática de esportes". Ou seja, o fato de matricular seu filho em uma escola de esportes é porque ele acha que o esporte trará benefícios no seu desenvolvimento físico, emocional e social.


Com isso queremos chegar ao ponto de inflexão deste artigo, a importância do trabalho dos instrutores esportivos para que as crianças adquiram verdadeiramente os tão esperados benefícios. Hoje em dia temos cada vez mais pessoas especializadas e preparadas para saber gerir um grupo humano de crianças que se entusiasmam e querem brincar com outras crianças, divertir-se a correr atrás de uma bola e claro marcar ou evitar golos como os seus ídolos da TV.


Porém, face a esta declaração de intenções, encontramos também outros valores que surgem nesta modalidade que não devemos esquecer, embora cada vez mais medidas de prevenção continuem a ser vistas em muitos jogos, casos de gritos, brigas, carências de respeito aos árbitros e rivais; Observamos a pressão desproporcional que alguns exercem sobre as crianças; a proeminência excessiva da vitória; a atitude prejudicial de alguns pais, abandono prematuro da prática desportiva ou do planeamento do treino sem respeitar alguns dos princípios psicopedagógicos mais elementares da aprendizagem desportiva devido à pressão de um resultado competitivo.


E agora com seus pros e contras, as escolas de futebol valem a pena? Tem como objetivo desenvolver os jovens ou vencer? Os responsáveis pela direção das Escolas compartilham deste objetivo e o transmitem aos seus treinadores e pais? Os pais estão cientes do potencial do futebol ou só se preocupam com a vitória?


Do meu ponto de vista, se você indicar a seu filho uma escola de futebol que é concebida como uma organização com características operacionais especiais de atividades projetadas segundo princípios psicopedagógicos, o jogador desenvolverá qualidades pessoais e físicas muito positivas para sua vida, de qualquer maneira. é quando se depara com colegas e técnicos de diferentes qualidades, o equilíbrio e a recompensa de desenvolver uma atividade sociável vale a pena.


O potencial educacional e a ferramenta para conhecer pessoas que o futebol tem é enorme. Valores como responsabilidade, disciplina, companheirismo, respeito e aprimoramento das relações interpessoais fazem parte deste esporte, mas sem esquecer outras experiências mais duras que existem e que também servem de grande lição como derrota, competição, relacionamento com outras pessoas, positivo.


Todas as experiências que serão lembradas com saudades no final, vitórias épicas na chuva, uma grande derrota onde você poderia fazer o gol da vitória, seu melhor amigo ou amigos da equipe, uma viagem a um campo que você nunca visitou, e muitas outras sensações que são difíceis de esquecer.



Por Lucas Drumond Sinnecker

12 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
Post: Blog2_Post
bottom of page